O SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta acolheu nos dias 16 e 17 de dezembro o terceiro comité de direção do Projeto Interreg Sudoe Eguralt, que juntou cerca de vinte pessoas de Portugal, França e Espanha.

O Projeto Interreg Sudoe Eguralt realizou o seu terceiro comité de direção nas instalações do SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta, na Sertã. Cerca de vinte profissionais e especialistas em construção de madeira deslocaram-se à vila portuguesa para discutir os últimos desenvolvimentos do projeto EGURALT, que visa a implementação e divulgação de soluções inovadoras para a promoção da construção de média altura com madeira no espaço Sudoe.

O Comité de Direção teve lugar a 16 e 17 de dezembro e incluiu reuniões técnicas dos diferentes grupos de trabalho que compõem o projeto. Além disso, foram efetuadas três visitas de estudo, nomeadamente às instalações do SerQ, à Universidade de Coimbra e ao Hotel Mondego em Coimbra.

Pelo início do dia 16 de dezembro, decorreu o Comité de Direção com o objetivo de avaliar o ponto de situação, as necessidades e as próximas etapas do projeto. No mesmo dia, pela tarde, começaram as reuniões técnicas, nomeadamente a relativa ao Grupo de Trabalho 1, que trata do “diagnóstico, intercâmbio de conhecimentos e estudo de oportunidades”.  Foram apresentadas as prioridades detetadas, bem como as conclusões do último Workshop (realizado em Lugo, Espanha) e apresentados os diversos avanços das atividades e resultados deste grupo de trabalho.

Uma vez concluída esta primeira reunião técnica, os membros da SerQ conduziram os restantes parceiros numa visita às suas instalações. Esta visita incluiu a nave de ensaios, onde teve lugar o ensaio de duas vigas de madeira lamelada colada produzidas a partir de espécies folhosas.

A sexta-feira começou com a apresentação dos progressos no Grupo de Trabalho 2, que contempla a “experimentação de novos processos, produtos e tecnologias para a otimização da utilização da madeira na construção”. Cada parceiro teve a oportunidade de partilhar os resultados obtidos nas suas experiências e testes-piloto. A manhã de sexta-feira terminou com o Grupo de Trabalho 3: “Divulgação, capitalização de conhecimentos e sensibilização para a mudança de paradigma no sentido da construção sustentável utilizando madeira”, onde foram discutidas diferentes opções para a criação de formações, bem como as várias possibilidades de desenvolver parcerias internacionais.

Visitas de Estudo

Após o fim das reuniões técnicas, o consórcio do Eguralt deslocou-se à cidade de Coimbra, onde durante a tarde visitaram a Universidade de Coimbra (Paço das Escolas) e o Hotel Mondego, onde o Engenheiro Luís Jorge, da TISEM Lda (parceiro associado do projeto), fez uma breve exposição sobre o projeto de reabilitação do edifício, nomeadamente a utilização da madeira lamelada cruzada (CLT) no mesmo. De referir que o edifício do Hotel Mondego fará parte do guia de construção em madeira de média altura que o consórcio está a desenvolver no âmbito do Grupo de Trabalho 1.

O EGURALT, que faz parte do Programa Interreg SUDOE, é co-financiado a 75% pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e tem um orçamento total de 1.011.562,50 euros.

  • Maitane Zazu, chefe da Secção de Projectos Especiais de Nasuvinsa, apresentou a actividade de experimentação na promoção da habitação social e anunciou que a reunião de lançamento se realizará em Janeiro de 2022.

  • Iván Bermejo, Técnico e Chefe de Gestão da ADEMAN, tomou a palavra para apresentar a sua experiência em pavimentos de madeira com espécies locais.

  • Aitor Sáez, Baskegur apresentou as prioridades encontradas pelos diferentes grupos de trabalho: promoção e políticas públicas; formação, estratégia empresarial sectorial e I&D&I.

  • Vanesa Baño, chefe de investigação em estruturas de madeira na Cesefor, comentou o progresso da sua análise do estado da arte da construção em madeira em altura na área de Sudoe, um relatório que estará disponível em breve através do projecto. Além disso, os parceiros puderam ver uma amostra das fichas técnicas, que também estarão disponíveis em breve e que já têm um breve resumo através de um mapa interactivo disponível no website Eguralt.

  • Aline Barlet, Co-Directora do GRECCAU, apresentou o módulo de formação interdisciplinar sobre a construção em madeira em altura, que terá 4 níveis: sensibilização, iniciação, aprofundamento e experiência. A ENSAP Bordeaux é também parceira em dois outros grupos de trabalho. Por um lado, são responsáveis pelo estatuto do inquérito sobre a percepção da construção em madeira na área SUDOE, associado ao Grupo de Trabalho “Diagnóstico, troca de conhecimentos e estudo de oportunidades”. Por outro lado, colaboram no Grupo de Trabalho 2 “Experimentação de novos processos, produtos e tecnologias para a optimização da utilização da madeira na construção”, onde Ryad Bouzouidja e Denis Bureau apresentaram o projecto-piloto “Massa térmica passiva ou semi-activa nos envelopes dos edifícios emoldurados com madeira”.

  • Apolline Oswald, Chefe de projecto Bois Matériau de Xylofutur, explicou as diferentes opções que estão a ser consideradas para parcerias e alianças com Redes Internacionais de Construção de Madeiras de Crescimento Médio.

  • A Axencia Galega da Industria Forestal, que lidera o grupo de trabalho 3 “Disseminação, capitalização de conhecimentos e sensibilização para a mudança de paradigma para a construção sustentável utilizando madeira”, apresentou, através do técnico Manuel Touza, os progressos feitos nos últimos meses neste campo. Além disso, XERA colabora no Grupo de Trabalho 2 “Experimentação de novos processos, produtos e tecnologias para a optimização da utilização da madeira na construção”, onde Azahara Soilán, técnico do Axencia apresentou o teste piloto “Soluções para melhorar a durabilidade contra as térmitas subterrâneas e a reacção ao fogo em painéis CLT”.

  • Carlos Martins da SerQ explicou a primeira experiência dos processos de pré-industrialização, centrada no estudo de painéis de betão com espécies locais (CLT) e apresentou o Pilot 1 – Madeira laminada colada de folhosas locais. Faz parte da Actividade 2.3.